Governo Federal

Divisão do Pará – Tapajós e Carajás, Novos Estados, Motivos e Plebiscito







Governo Federal – Atualidades do Brasil – Not 1

Divisão do Pará – Tapajós e Carajás, Novos Estados, Motivos e Plebiscito

A possível separação do Pará em Três novos Estados vem sendo discutida nestes últimos anos, e no mês passado a Câmara aprovou decretos legislativos para se faça um Plebiscito, em até seis meses, consultando a opinião dos 3 milhões de eleitores paraenses.

A Divisão pretende cria dois Estados – o Tapajós e Carajás – e o Pará terá seu território reduzido (como você pode ver pela Foto do Mapa acima).

Pretende-se que Tapajós ocupe 58% do atual Pará (parte oeste) e que tenha 27 municípios, totalizando 1,7 milhões de habitantes. Já Carajás deve ficar com 25% (parte sudeste), contar com 39 municípios e 1,4 milhões de pessoas.

O Motivo da Mudança é melhorar a administração, investimentos públicos e política mais regionalizada. Porém muitas controvérsias são apontadas por estudiosos, tais como muitos custos que os Novos Estados não poderão arcar e organização de um nova estrutura Política da região.

O Plebiscito, provavelmente, será num domingo da primeira quinzena de dezembro, mas há um desafio em vista que é a logística, pois há grande isolamento de algumas localidades do Pará. Uma das soluções é o apoio das Forças Armadas à Justiça Eleitoral, segundo informado pelo presidente do TSE, Ricardo Lewandowski.

Opiniões de Economistas e Analistas – Os Prós e Contras da Divisão do Estado do Pará

Contras – Segundo o economista Rogério Boueri, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), se criados, os estados de Carajás e Tapajós não serão Viáveis Financeiramente, pois dependerão de ajuda federal para suprir os custos das novas estruturas de administração pública e política (novos governantes, prefeituras e outras organizações).

Além disso, segundo Rogério, será necessário grandes investimentos na construção de edifícios públicos. Por exemplo no interior do Pará terão que implantar e ampliar infraestruturas,como aeroportos e rodovias.

A Favor – Defendem que a separação trara benefícios para a sociedade, em investimentos públicos como Hospitais, escolas e infraestrutura para as regiões isoladas.

A Prefeita de Santarém (pode ser a capital de Tapajós), Maria do Carmo, afirma que a criação do novo estado é uma reivindicação histórica e cultural – “Estamos a mais de 800 quilômetros da capital. Os recursos e os serviços não chegavam” e “mesmo com o aumento da presença dos governos federal e estadual, permaneceu o espírito separatista”.

O Prefeito de Marabá (pode ser a capital de Carajás), Maurino Magalhães, disse “batalhar” pela criação da nova unidade federativa. “A maioria da população da região é favorável à divisão” e “Somos uma região de difícil acesso e com pouca presença do governo estadual. Por isso, vai ser importante a criação de Carajás para o desenvolvimento da nossa região.”

 

Somente o Plebiscito mostrará claramente, em Números, quem apoia ou não a divisão do Estado do Pará, sendo esta uma forma democrática de decisão. Mas vale a pena ressaltar que a população deve ser instruída sobre os prós e contras para que se tome uma Atitude acertada na hora da Votação.

**  O que você acha da Criação dos Estados de Carajás e Tapajós? Deixe sua Opinião e Comentário para o Not 1… Ajude a melhorar o Brasil….

Assuntos do Artigo:
  • carne de soja para gravida pode comer
  • causas do crescimento urbano
  • porque os alimentos ficam mofados
  • principais caracteristicas da obras de leonardo da vinci

Comente Via FaceBook

Comentários

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

87 Comentários

  1. Luiz - jornalista disse:

     CRIAR ESTADOS NA REGIÃO NORTE É NACIONALIZAR A AMAZÔNIA COM INVESTIMENTOS, é a presença do poder público na Amazônia brasileira.

     Quero parabenizar , os senadores pela coragem de levantar um problema de segurança nacional e pensar em criar um pólo de desenvolvimento e segurança nacional. Essa região é absolutamente esquecida por nossas autoridades, um região onde vivem milhares de brasileiros que foram condenados ao isolamento e deixados em uma zona de fronteira sem a devida vigilância de fronteira. O desmando e a falta da presença do poder público nessa região fragilizada ao narcotrafico. Não se justifica em nosso país termos o Estado do Amazonas maior que muitos países vizinho ao Brasil, inclusive países da Europa e termos Estados pequenos como Alagoas e Sergipe.È preciso criar o Estado de Solimões para que essas cidades do extremo oeste do Amazonas sejam acolhidas com a presença do poder público. Assim como o Estado do Tapajós será uma realidade futura, o estado do Solimões também deve ter sua devida atenção.Basta vontade política para isso e confio na competência e articulação política que nossos deputados e senadores da amazonia darão força a este projeto criar o estado do Solimões e Rio Negro. Srs, levantem essa bandeira, crie o futuro do Brasil e dessa região.. Dê a oportunidade dos moradores dessa região decidir democraticamente em plebiscito e o desenvolvimento dessa região. É PRECISO PENSAR EM DIVIDIR O ESTADO DO AMAZONAS PARA CRIAR OS ESTADOS DO SOLIMÕES, COM CAPITAL TABATINGA E O ESTADO DO RIO NEGRO, COM CAPITAL TEFÉ.

  2. Luiz - jornalista disse:

    TAPAJÓS E CARAJÁS DEVEM SER EMANCIPADOS.
    SERÁ BOM PARA O PARÁ, SERÁ BOM PARA O BRASIL.

    “A criação dos estados do Tapajós e Carajás é o maior projeto de desenvolvimento econômico do País que se discute hoje, temos que levar em conta os benefícios da região Norte e da Segurança nacional da Amazônia, acredito que esta estratégia que os municípios estão articulando, tem que ser feita urgentemente já que o nosso tempo é de seis meses, para a realização do plebiscito”,

  3. Dionisio disse:

    Segundo o economista Rogério Boueri, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), se criados, os estados de Carajás e Tapajós não serão Viáveis Financeiramente, pois dependerão de ajuda federal para suprir os custos das novas estruturas de administração pública e política (novos governantes, prefeituras e outras organizações).

    Ou seja, bilhões de reais serão desviados para os bolsos de alguns oportunistas (FDP) e o abandono ainda maior do norte do Brasil.

  4. A CRIAÇÃO DOS DOIS ESTADOS E DE SUMA IMPORTANCIA, NÃO SÓ PARA NÓS QUE AQUI VIVEMOS, SERÁ IMPORTANTE PARA SOBERANIA BRASILEIRA, A AMAZÔNIA PRECISA COM URGENCIA DE UMA SEGURANÇA SOBERANA, ONDE AS FORÇAS ARMADAS IRAM NOS RESGUARDAR COM MAIS SEGURANÇA AS NOSSAS DIVISAS SOBERANAS, SOU A FAVOR DA CRIAÇÃO DOS DOIS ESTADOS TAPAJÓS E CARAJÁS, POIS ESTAMOS LONGE DOS OLHOS ADMINISTRATIVOS DO GOVERNO ESTADUAL E POR ISSO ESTAMOS SOFRENDO COM NOSSAS FAMÍLIAS, POR FALTA DE ATENDIMENTOS MEDICOS E HOSPITALAR, EDUCAÇÃO DE BAIXISSIMAS QUALIDADES, QUERO DEIXAR AQUI O MEU SIM PARA CRIAÇÃO DOS NOVOS ESTADOS

  5. ALEX GONCALVES DE REZENDE disse:

    A QUEM DIGA SER INVIÁVEL A CRIAÇÃO DE DOIS NOVOS ESTADOS, EM CIMA DO TERRITORIO DO PARÁ. ESPERO QUE OS PARAENSES E BRASILEIROS QUE PODEM IMAGINAR TAL NEGATIVA, É MUITO FÁCIL ELUCIDAR. LEMBREM-SE DE QUANDO FOI DIVIDIDO O ESTADO DE GOIAS, PARA A CRIAÇÃO DO ESTADO DO TOCANTINS, ERA UM PARTE DO ESTADO QUE NADA EXISTIA, TÃO SOMENTE SOFRIMENTO.
    HOJE, QUEM PARTICIPOU DA CRIAÇÃO DO DESMEMBRAMENTO DE GOIAS E NA CRIAÇÃO DO ESTADO DO TOCANTINS, QUEM DIRIA QUE SE TRANSFORMARIA EM UMA POTÊNCIA COMO É. BRASILEIROS, PAREM DE PENSAR PEQUENO, POIS É ASSIM QUE OS GRANDES, OS TOMADORES DE TERRAS QUEREM, E, ENQUANTO NÃO SE CRIAR UMA CULTURA DE DESENVOLVIMENTO, O BRASIL SERÁ SEMPRE INTERIORANDO E SUBDESENVOLVIDO. SOU PLENAMENTE A FAVOR DA CRIAÇÃO DO TAPAJÓS E DO CARAJÁS, E QUE DEUS ABENÇOE.

  6. Brendhon Santana disse:

    O estado de Carajás fará da minha cidade(Bom Jesus do Tocantins) região metropolitana, os recursos serão dirigidos à pouco mais de 66 Km de onde moro. Então é só alegria.

  7. Rodney Holanda disse:

    Boa tarde.
    Vocês acham mesmo que esses Minicípios irão crescer do jeito que pensam. Vamos acordar e dar mais atenção ao nosso senso crítico e não ao senso comum.
    Isso não vai acontecer.

    Senso Crítico é a análise que possui comprometimento com a verdade visando compreender melhor as questões do Eu, do Outro e da Sociedade como um todo. Ou ainda, poderíamos dizer ainda que Senso Crítico seja a “faculdade de apreciar e julgar com ponderação e inteligência”. Ao contrário do Senso Comum, que se baseia em nossas experiências e tradições que formam um saber “prático” aplicado em nosso dia a dia.

    Quem quer a divisão do estado são políticos que sabem que perdem no estado, como a prefeita de Santarém, Maria do Carmo. Eu tenho certeza que se isso a contecer, ela vai ser a primeira a se candidatar ao governo do estado. E vocês eleitores de santarém? chupando o dedo!!!
    Eu estive em Santarém e pensei que a cidade fosse mais desenvolvida, o que ela está fazendo? Não vi nada de novo.
    O mesmo vale para o prefeito de Marabá, Maurino Magalhães. Estive em Marabá em 1997 e em 2011, não vi diferença, a não ser pintura.

    Quando é que o povo do Pará vão abrir os olhos e ver que estamos rodeados de vereadores, deputados, senadores, prefeitos, entre outros, corruptos (as exceções existem, mas são bem poucos. Pouquíssimos).

    Novos estados, significa mais vereadores, mais deputados, mais prefeitos e mais governadores.
    Aaah!!! Não posso esquecer mais roubo, nepotismo, improbidade administrativa, entre outros.
    Pensem.

  8. Adrielly disse:

    a criação de dois novos estados será totalmente inviavel para os cofres publicos, sem contar na maior possibilidade de desvio de verbas por conta dos nossos politicos. Está evidente que o que eles querem é dividir a Amazônia para ter maior controle sobre as nossas riquezas. O verdadeiro paraense em hipotese nenhuma iria concordar com isso, isso é apenas um jogo politico das elites.

  9. socorro Barreto disse:

    Se a extensão territorial do estado do Pará for uma das causas de problemas citados por quem defende o separatismo, Expliquem vocês porque o Estado de Sergipe é um dos mais pobres do país. O motivo principal sao na verdade os novos cargos políticos que serão criados. Vejam o caso da Maria do Carmo, perdeu a eleição no Pará e agora quer ser governadora deTapajós!!

  10. Caio Jose disse:

    cara fala serio, nao precisa nem escrever direito, basta ter um pouco de conhecimento, a fama do Brasil no exterior e de um pais corrupto, e é obvio o que esses politicos querem com essa separaçao (desviar verbas), eles falam que vai ser bom nao só para os novos estados, mas para o Pará também, basta olhar para o Tocantins, que desenvolvimento esse estado teve desde que se desmembrou de Goias, se voces souberem me avisem porque eu nao vi nenhum desenvolvimento, e como se nao bastasse os criadores deste projeto nao sao nem paraenses, mas sao da regiao norte, e e claro o outro objetivo deles e enfraquecer o estado!

  11. Elton disse:

    Caio… Enfraquecer o estado? ta com medo de que? se o governo federal tera que bancar a infra-estrutura e dai? quando o seu governo ai de Belem vai fazer isso? nunca! se nao dividir o estado nada vai mudar aqui… o movimento separatista é antigo, e sempre a mesma conversa: vai aumentar os desvios, basta apenas melhorar a administração! Hipocrisia acreditar nisso cara, mesmo que roubem o dinheiro, se aplicarem corretamente 25% do esta previsto na arrecadação do tapajós já sera melhor do que se é investido hj na minha região cara! Corrupção esta no DNA do brasileiro, mas seja realista, minha cidade tem 150 anos e desde então só é lembrada em época de eleição pelos sanguessugas ai da sua região!

  12. Bruna disse:

    A população dos possiveis novos estados são a favor, mas todos precisam entender que com essa divisão iremoa sustentar mais politicos, as passagem irão encarecer exemplo: para eu ir de belem para marabá, terá um custo maior pois será uma viagem interestadual, o Pará (que eu tanto AMO) ficará bem pequeno (vai cresce pra onde??) a criação dos novos estados terá um custo alto..
    E ESTETICAMENTE o PARÁ fica tão LINDO no MAPA com o formato dele..:D

  13. Priciane Maciel disse:

    A divisão do Estado do Pará possui os seus pró e contra, analisando os relatos, essa divisão não beneficiará nenhum dos Estados, por que Tapajós e Carajás possuem os recursos minerais, mas não possuem recursos financeiros o suficiente para sustentar a população, então esses Estados irão ter que pedir ajuda financeira para o Governo Federal, será gastado milhões para criar esses Estados, por que a população irá precisar de edifícios públicos como hospitais, escolas etc. Enquanto eles invistão em outros Estados, eles deveriam invistir no Pará que assim beneficiará não só o Pará, mais também os dois Estados.

  14. Priciane Maciel disse:

    @Priciane Maciel

    Priciane Maciel :A divisão do Estado do Pará possui os seus pró e contra, analisando os relatos, essa divisão não beneficiará nenhum dos Estados, por que Tapajós e Carajás possuem os recursos minerais, mas não possuem recursos financeiros o suficiente para sustentar a população, então esses Estados irão ter que pedir ajuda financeira para o Governo Federal, será gastado milhões para criar esses Estados, por que a população irá precisar de edifícios públicos como hospitais, escolas etc. Enquanto eles invistão em outros Estados, eles deveriam invistir no Pará que assim beneficiará não só o Pará, mais também os dois Estados.

    @Caio Jose
    Você está certo, essa divisão vem sendo discutida desde 1994, não somos nós que queremos a divisão e sim os politicos de outros Estados, que se beneficiaram com os gastos finaceiros.

  15. Diogo disse:

    @Caio Jose
    o principal fato do estado de sergipe ser o mais pobre a seca que o castiga a maior parte do ano! digo isso por ser nordestino nato
    @socorro Barreto

  16. André disse:

    Sou de acordo que haja a divisão do Pará, até porque o estado tem dimensões que fogem ao controle do governo e a população é que sofre com o descaso. Agora tem um detalhe que me chama a atenção, é que me mostraram um mapa pronto e me disseram que devo escolher na divisão do Pará em tres novos estados. Não me deram nenhuma alternativa alem da que “eles” criaram. Por conta disso, sinto-me no dever de me posicionar contra a divisão que eu não participei na hora de criá-la, mas que agora sou obrigado a decidir.

  17. wellington teles disse:

    O TERRITÓRIO PARAENSE É PATRIMONIO INALIENÁVEL DO POVO DO PARÁ.

    Grande parte dos que defendem o suposto retalhamento do Estado do Pará, muitos dos quais imigrantes, e que se destacam particularmente por suas participações ativas na Frente de Criação do Estado de Carajás, assim como pelo efetivo exercício do poder que este grupo detém nesta porção do território paraense, não tem conseguido argumentos palpáveis à sua respectiva tese, que é na verdade dividir para reinar. Esta frente que tem suas lideranças e maior montante de suas fileiras formadas por não paraenses, Congrega muitos interesse, poucas ideias e muito menos ainda virtudes, parte dos separatistas, poderiam ser responsabilizados pelos problemas que individualizam a história e a realidade dessa região do Pará, por parte estarem direta ou indiretamente envolvidos em atividades criminosas e imorais como a grilagem, o desmatamento irregular, a escravidão e as mortes de trabalhadores rurais, a extração mineral sem critérios, a violência no campo em geral, eventos que vem sendo tônica das projeções negativas que destacam o Estado do Pará perante a opinião pública nacional e internacional, e agora tentam se passar por “heróis da independência”. De quem? E pára quem cara pálida?
    Estas ilustres e influêntes figuras que compõem o grupo dominante no sul e sudeste do Pará, é o mesmo que tomou de assalto nesta porção do Estado a maior parte das terras, da renda e das propriedades, ou seja, das riquezas existentes, relegou o povo paraense à situação de penúria e de miséria, marcada pela violência, desemprego, segregação e discriminação nesta região, basta observarmos que os filhos da terra, quando conseguem trabalho, pois, para o agricultor e para o ribeirinho, expulsos de suas terras é quase impossível isso acontecer, sempre ocupam os mais baixos cargos, com os menores salários, como no caso da Vale do Rio Doce e outros empreendimentos econômicos que importam grande parte de sua mão de obra, estes empreendimentos se instalaram na região à revelia das necessidades e interesses do povo paraense, e se apropriaram das nossas riquezas como se fossem suas, sempre deixando como herança para o povo do Pará apenas um rastro de miséria e destruição por onde passam ou se instalam.
    Os nativos que ali ainda vivem são quase sempre as vítimas preferenciais da violência pela expulsão de suas terras, por algum destes ditos “investimentos econômicos” que tem invariavelmente imposto sua vontade acima de qualquer interesse coletivo em prol da melhoria da qualidade de vida para a população.
    Não bastasse, agora esta “elite” aspira poder político com intuito de concretizar a apropriação indébita de um patrimônio que nunca foi, é ou será dos mesmos, as nossas riquezas, riquezas do povo do Pará.
    O interesse deste grupo não é apenas dividir, pois pouco importa o território se este não apresentar as condições necessárias à produção e acumulação de riquezas, a viabilidade econômica para tal, e, por conseguinte, a projeção e efetivação de seu poder hegemônico sobre o espaço e as pessoas, ou seja, ação e controle sobre o território, daí não somente os cargos políticos, mas sim, toda a estrutura política, jurídica e ideológica que se constituiria iria servir para concretizar de forma quase inquestionável e incontestável a estratégia de dominação deste segmento e a construção de um novo “feudo”. Como se pode ver, não existe altruísmo nas intenções de retalhamento do estado do Pará.
    Com intuíto de combater seus argumentos que nos parecem frágeis, apresentamos outros, quais sejam:

    1- Grande parte dos paraenses não é contra a criação de outros estados na estrutura da federação, contanto que os gaúchos, paranaenses, mineiros, paulistas, goianos, maranhenses e outros que se julgam os donos desta parte do Pará, dividam os seus respectivos Estados e deixem a integridade territorial do Pará com os paraenses.

    2- Foi o Estado do Pará e os paraenses que receberam este contingente de imigrantes e os forneceu a possibilidade de uma vida melhor do que tinham em seus respectivos Estados e não ao contrário como querem fazer crer;

    3- A totalidade das riquezas, que sempre existiram (independente de suas presenças) neste rico território, tanto na superfície quanto no subsolo, é patrimônio inalienável do povo do Pará;

    4- As elites regionais que “clamam” pela emancipação deveriam se propor também a divisão das riquezas e do poder concentrado em uma dúzia de imigrantes que impõem suas vontades com a truculência coronelista de outrora;

    5- Carajás nasceria como um Estado dependente e submetido diretamente aos interesses da companhia Vale do Rio Doce, como esta planeja (um estado fraco e subordinado a seus interesses), sem qualquer autonomia e soberania, uma vez que esta empresa é a grande interessada e patrocinadora da aprovação deste projeto, tanto com recursos financeiros como pela atração de levas de mão-de-obra, que chegam sem qualquer perspectiva de emprego e se configuram apenas como “eleitores” que vem transferindo seus domicílios eleitorais temporariamente de forma a interferir nesse processo;

    6- Este modelo, estrada – terra-firme – subsolo, que agora vem se mostrar, colocando-se como novo, moderno, autêntico e diferenciado, buscando se desagregar político, econômico, social, cultural e territorialmente do restante do Pará, está calcado nas mais primitivas formas de exploração, foi transplantado para esta região do Estado e é um marco da intervenção estatal na Amazônia. Esta relação, que tomou fôlego com o regime militar, gerou a concentração de riqueza e poder no varejo e miséria no atacado, o que é muito visível no que talvez viria a ser o Estado de Carajás… Se for para dividir, que tal começar pelo poder e riquezas que aí estão concentrados nas mãos de poucos imigrantes;

    Portanto, Senhor Giovanni Queiroz, se não está gostando… Campina Verde em Minas Gerais, sua terra natal sempre o estará esperando de portas abertas. Ajude a construir o futuro Estado do Triângulo, seus conterrâneos clamam seu retorno para assumir esta causa.
    …em outras palavras não está satisfeito a porta de saída é serventia da casa, voltem que o seu povo e suas respectivas terras (Estados) que sempre os esperam de braços abertos.
    Por outro lado, os defensores daquilo que hipoteticamente seria o Tapajós, Estado que já nasceria como um dos mais pobres do País, se não o mais pobre, e com um nome que não agrada ou representa a maior parte dos municípios que podem vir a compô-lo, pois, a maioria deles não está na área drenada pelo Rio Tapajós veem seus desafios aumentarem par objetiva-lo, pois a proposta frankstainiana de criar um Estado que abrangeria uma área que se estende de extremo norte a estremo sul do Pará (até que o Xingú também se emancipe, pois é provável que isso ocorresse em muito pouco tempo) onde as referidas porções, norte e sul, não possuem qualquer relação ou mesmo comunicação entre si tem trazido problemas de sobra aos separatistas. Esta proposição tem grande maioria de seus defensores radicados em Santarém e estes sonham com sua cidade “liderando” um Estado e contando com o “status de capital”.
    Por mais que tenham um histórico de reivindicação de mais de um século por emancipação não possuem argumentos, nem unidade o que compromete a legitimidade em torno deste projeto, pois:

    1- A distância reclamada como causa do abandono da região oeste do Pará continuaria, basta olhar a região do Xingu que fica localizada no outro extremo do estado a uma distância estratosférica do que seria a capital, Santarém;

    2- A centralização, segundo os separatistas, exercida por Belém, apenas mudaria para Santarém a capital de um território muito mais pobre que deixaria à míngua a maioria dos municípios do novo estado e concentraria a maioria dos parcos recursos, já que não investiria nos demais municípios por não ter como, talvez a maior parte destes recurso seria composto por repasses;

    3- A maior parte dos municípios da calha do Rio Amazonas que sequer participaram da discussão e da elaboração da proposta de divisão, já que o projeto é santareno, assim não coadunam em de repente, serem parte do Estado de Tapajós, por isso não vem se mobilizando para tal intento;

    4- Óbidos possui uma grande rivalidade com Santarém, já que se julga a capital histórica desta parte do Pará e, portanto, reivindica o direito de ser capital do novo Estado, mesmo à revelia de Santarém;

    5- Na região do Xingu não existe nem mobilização, muito menos aceitação da proposta santarena e que levaria como espólio também esta porção do Pará;

    6- Se aprovado, nos moldes como está proposto, o futuro estado de Tapajós teria quase 80% de seu território em áreas de conservação o que inviabilizaria a economia e quase a totalidade do parco desenvolvimento econômico da região. Então, como se produziria riqueza na região?

    7 – Com a pretensa criação do Estado de Tapajós, e este nascendo, pelos motivos já citados, com poucas possibilidades de desenvolvimento econômico e capacidade de gerar emprego e por conseguinte renda para seu povo, o destino das massas da população do oeste do Pará em busca de uma melhor condição de vida seria Manaus, onde continuariam sendo discriminados e hostilizados publicamente por figuras como Amazonino Mendes, além de sofrerem preconceito e discriminação velados de grande parte dos habitantes desta cidade.

    Os argumentos acima, podem explicar por que não existe tanto apoio à esta proposta nem mesmo entre a população da região em que se constituiria o futuro “Estado de Tapajós” sobre a criação deste, possivelmente isto seja melhor para políticos como Lira Maia, Antônio Rocha, Alexandre Von, Airton Faleiro, para os sojeiros e outros que fazem parte do folclore da história política e policial da região, o que pelas bandas daqui também temos, mas e para o povo da região seria melhor? Se Santarém quer se emancipar que vá, siga sozinha como sempre esteve e sinta a satisfação de ser uma “Cidade Estado”. Para o restante do Pará, Santarém até que é uma perda assimilável, mas o restante daquilo que reivindicam como parte do estado do Tapajós, o Xingú, e a calha do rio Amazonas, sempre foi, é, e sempre será Pará, independente do que pensam, acham ou façam…
    Então, senhor Asdrubal Bentes, o processo de divisão do Estado do Amazonas está em curso, mas talvez precise de seu envolvimento para ser concretizada, lá sua participação é legitima, pois sendo o senhor natural do munícipio de Humaitá-Am, pode assumir a trincheira para a criação dos três novos Estados que poderão surgir no Amazonas e entrar para a história e para o executivo, no Amazonas… Aqui NÃO!

    O TERRITÓRIO DO ESTADO DO PARÁ É IVIOLÁVEL E O POVO PARAENSE INDIVISIVEL!

  18. Fabiana disse:

    Sou contra, pois onde moro, Brasil Novo, ficara na parte + pobre dessa divisão, acho isso apenas uma desculpa do governo pra gastar dinheiro!!!!

    Sou totalmente CONTRA

  19. vitor disse:

    sou a favor da divisão pôs a cultura tem que ser identidade de cada estado pôs

  20. INÁCIO LEITE disse:

    É pertinenete a discussão e o plebiscito. Históricamente a fator miséria em todos os aspectos é um dos argumentos fortes da discussão. Mas também não posso deixar de ressaltar a falta de compromisso dos gestores desses municípios, recursos escaços, mas nas mãos de famílias que pouco se importam com a sociedade e realidade local. Ricos prefeitos de pequenos municípios? Não estendo essa afirmação a todos, mas convenhamos uma grande parcela tem investimentos/patrimonios com esse pouco recurso. Faço a seguinte reflexão de que haveria de ter uma outra via, demoninada de comprometimento com o Pará. O NÃO SE DIVIDE, jamais por questões umbilicais, mas por um comprometimento da sociedade. Descentralizar a presença do Governo, para que ele pudésse a olhos arregalados apresentar junto com as sociedades locais politicas públicas eficazes de enfretamento ao abandono. Ainda não decidi meu voto, mas lamento profundamente ver os verdadeiros cidadãos do Pará sendo engolidos por falácias de grupos/forasteiros nada além. Mas com certeza essa discussão no minimo trará a tona as realidades desses municipios e seus gestores, inclusive observando o interesse dos mesmos, se a divisão é em defesa das sociedades locais ou pessoal? Bom debate.

  21. Vicente disse:

    @Adrielly

    @Fabiana
    Voce esta completamente equivocada a respeito de Brasil Novo ser da parte mais pobre dessa divisao. Procure ler mais e se informar dos indicadores economicos e sociais de Brasil Novo. Provo pra voce que é o contrario!!! è uma das partes mais ricas do futuro novo estado. Eu sou morador dessa cidade e pelo jeito voce esta mal informada.

  22. flávio Abranches disse:

    “Estamos a mais de 800 quilômetros da capital. Os recursos e os serviços não chegavam” – Mria do Carmo

    UAI, porque os recursos n chegam, nao seria mais viavel se acompanhar o caminho desses recursos?

  23. Jonatas Santos disse:

    Eu sou a favor pois assim não só o Pará mas também os outros estados irão crescer.
    Veja só o exemplo dos Estados de São Paulo, Rio de Jeneiro e Minas Gerais eles eram um só, e agora como eles estão? Estão como os poderosos chefões, uns dos estados mais ricos do Brasil. “Seria bom dividir.”

  24. Brenda disse:

    Dionisio :Segundo o economista Rogério Boueri, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), se criados, os estados de Carajás e Tapajós não serão Viáveis Financeiramente, pois dependerão de ajuda federal para suprir os custos das novas estruturas de administração pública e política (novos governantes, prefeituras e outras organizações).

    Ou seja, bilhões de reais serão desviados para os bolsos de alguns oportunistas (FDP) e o abandono ainda maior do norte do Brasil.

  25. Brenda disse:

    todo lugar tem corruptos,
    meu municipio e bem articulado na economia, e sou a favor..
    mesmo tendo ladroes antes coloca um representante da sua região pois tem os mesmos interreses que um cidadão.
    #Reflita@Brenda

  26. Rogério Margado Bezerra disse:

    É claro a corrupção no pais está descarada e os recursos financeiros esta ficando cada vez menor. a fatia esta dimunuindo… é uma forma que os politicos encontraram para aumentar as suas partes, será que ninguem percebe é mais um golpe para roubar o pais. certos momentos eu tenho vergonha de ser chamado de brasileiro, tudo por culpa desses politicos safados… que só pensam em se dar bem e deixar a população brasileira cada vez mais pobre. mais se Deus quiser dessa vez eles vão perder. Porfavor vamos combater dizendo não nas urnas. Meu Deus eu já estou vendo eles se banharem no dinheiro… filhos de uma puta……………!!!!!!!!!

  27. Francisca R. Prado disse:

    Não à divisão do Pará!
    Espero que a população paraense se informe e procure realmente pesar os motivos para a divisão, pois o que normalmente encontramos no dicurso do SIM é a divisão como um “milagroso” veículo para a “evolução”, o “progresso”, o “desenvolvimento”. Tudo isso a partir do aumento dos repasses do FPE e outros impostos rateados pela União entre os Estados, como afirmou recentemente o dep. Lira Maia em debate em Belém, promovido pela UFPA. O que pouco se discute é o custeio das novas estruturas que terão que ser montadas para dar suporte legislativo, executivo e judiciário nos Estados se criados. Investimentos esses altíssimos que certamente serão custeados pela população paraense que já paga energia elétrica caríssima, apesar de ser produtora dessa, que já sofre de várias mazelas como estradas em péssimo estado de conservação, e isso não é só nos “rincões” do sul, sudeste e oeste do Pará não, até mesmo na alça viária temos esses problemas. O que nos leva a crer que o falta para alcançarmos o desenvolvimento não é dividir e por sinal, desigualmente o Pará não. Falta mais seriedade dos nossos gestores para criar políticas públicas que tragam o tão sonhado desenvolvimento. Necessitamos que criem estratégias em suas inoperantes secretarias para dar conta da integração do Estado, para preencher o vazio governamental nos interiores mais longíquos; construir e pavimentar as rodovias assegurando o trânsito dos paraenses com qualidade dentro do Estado; construir novas escolas e manter as antigas em bom estado de funcionamento, além da ampliação das universidades nos interiores, enfim, cumprir efetivamente o que alardeiam nos palanques eleitorais. Assim, o povo paraense não perderá elementos significativos de sua história e cultura. Já pensaram que com a divisão até a estrela que é o Pará na bandeira do Brasil mudará de lugar? É… então pensem e no dia 11 de dezembro resta dizer não! e não! Queremos o Pará unido e lutando pela melhoria de todos os paraenses.

  28. Fillipe Santiago disse:

    Sou a favor, pelo fato das cidades ficarem muito distantes da capital, isso ajudará bastante aos que necessitam de emprego, saúde pública, etc… Mas tem a questão financeira, que esses estados não terão como arcar com os problemas estaduais. Complicado..

  29. Maria disse:

    Eu acho isso um absurto !!!!!!!!!!!!!!!!!

  30. edvandro m c disse:

    gostei muito dessa divisão tomara que der certo.

  31. ladires espadia de castro disse:

    acho otimo precisa ser dividida mesmo o mais rapido possivel

  32. Joao Paço disse:

    Explica pra mim…

    Estão querendo separar o pará, e já sabemos que estes novos estados não tem condições de se sustentarem, e que será preciso muito investimento de dinheiro público do governo federal, ou seja, de todos os brasileiros, para construir toda a estrutura necessária para estes estados e suas novas capitais.
    O principal argumento é que o governo estadual não tem condições de administrar toda a atual extensão territorial.

    Então, sabendo disso, qual a diferença entre o governo federal realizar estes investimentos para melhorar as condições da população do pará sem ter que criar novos estados?

    Pelo que pude perceber, a diferença é somente a criação de vários cargos no executivo e legislativo, como governadores, secretários, deputados, e muitos mas muitos acessores, etc.

    Não sei, mas ta me parecendo que estao querendo criar mais dois guarda-roupas, pra colocar muitos cabides de emprego.

  33. Isadora Gurgel disse:

    Maguii Leonello
    O que uma escritora Holandesa falou do Brasil!

    Os brasileiros acham que o mundo todo presta, menos o Brasil, realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos. Aqui na Holanda, os resultados das eleições demoram horrores porque não há nada automatizado.

    Só existe uma companhia telefônica e pasmem!: Se você ligar reclamando do serviço, corre o risco de ter seu telefone temporariamente desconectado.

    Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche em um guardanapo – ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a carne.

    Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas enroladas em folhas de jornal – e tem fila na porta.

    Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador.

    Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de ‘Como conquistar o Cliente’.

    Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem suas crenças e cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA a bandeira nacional aparece, e geralmente na hora em que estamos emotivos..

    Vocês têm uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas de software a chamam de português brasileiro, porque não conseguem se comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua Portuguesa. Os brasileiros são vitimas de vários crimes contra a pátria, crenças, cultura, língua, etc… Os brasileiros mais esclarecidos sabem que temos muitas razões para resgatar suas raízes culturais.

    Os dados são da Antropos Consulting:

    1. O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.

    2. O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma.

    3. Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi considerada a mais solidária.

    4. Nas eleições de 2000, o sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estava informatizado em todas as regiões do Brasil, com resultados em menos de 24 horas depois do início das apurações. O modelo chamou a atenção de uma das maiores potências mundiais: os Estados Unidos, onde a apuração dos votos teve que ser refeita várias vezes, atrasando o resultado e colocando em xeque a credibilidade do processo.

    5.. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de 40% do mercado na América Latina.

    6. No Brasil, há 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países vizinhos não possuem nenhuma.

    7. Das crianças e adolescentes entre 7 a 14 anos, 97,3% estão estudando.

    8. O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas habilitações a cada mês.

    9.Telefonia fixa, o país ocupa a quinta posição em número de linhas instaladas..

    10. Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISO-9000, maior número entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina.

    11. O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.

    Por que vocês têm esse vício de só falar mal do Brasil?

    1. Por que não se orgulham em dizer que o mercado editorial de livros é maior do que o da Itália, com mais de 50 mil títulos novos a cada ano?

    2. Que têm o mais moderno sistema bancário do planeta?

    3. Que suas AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE ganham os melhores e maiores prêmios mundiais? 🙂

    4. Por que não falam que são o país mais empreendedor do mundo e que mais de 70% dos brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte de seu tempo em trabalhos voluntários?

    5. Por que não dizem que são hoje a terceira maior democracia do mundo?

    6. Que apesar de todas as mazelas, o Congresso está punindo seus próprios membros, o que raramente ocorre em outros países ditos civilizados?

    7. Por que não se lembram que o povo brasileiro é um povo hospitaleiro, que se esforça para falar a língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem?

    Por que não se orgulham de ser um povo que faz piada da própria desgraça e que enfrenta os desgostos sambando.

    É! O Brasil é um país abençoado de fato.

    Bendito este povo, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos.

    Bendito este povo, que sabe entender todos os sotaques.

    Bendito este povo, que oferece todos os tipos de climas para contentar toda gente.

    Bendita seja, querida pátria chamada BRASIL!

    De: Patricia Ferreira Bento

  34. jhoe magno disse:

    eu sou a favor pois trara mais infraestura e recursos

  35. Pablo Cabral disse:

    @Dionisio
    >Pense no desenvolvimento para essas àreas esquecidas do Para….
    >No começo serão muito dependentedentes do governo federal, mas depois com o tempo se desenvolverame se tornaram em riquesas p/ o Brasil.

  36. Pablo Cabral disse:

    >Pensem no desenvolvimento enssas áreas, em termos de hospitais, aeroportos, empregos mil…

  37. Roberto disse:

    Quem quer a divisão é quem está sendo menos beneficiado, então deixa dividir, o pessoal da região metropolitana deve deixar os outros serem felizes, se piorar que vai sofrer as consequencias somos nós da região dividia e é isso que queremos. Então os belenenses devem deixar de argumentar. Somos nós que queremos a divisão. Se vai piorar para os belenenses vai melhorar pra nós. Então votem 77 (sim). Povo de Belém, é isso que queremos.

  38. vivian carla disse:

    sou contra a divisão do para, pois o nosso estado ficará menos populoso, assim a divisão ira atingir as nossas riquesas?????????????.

  39. julio lino madureira disse:

    Ai pessoal eles falam em construir hospitais,mas me digam a situações dos
    hospitais do pais todo esta um cáos,como é que vão fazer isso é milagre
    mas esses politícos não tem jeito mesmo,querem mamar em mais tetas,já
    não chega nas tetas que mamam.

    PENSEM BEM POVO DO PARÁ…………………………..

  40. jonathan disse:

    Acho estranho essa seaparacao, ainda nao estou inteirado no assunto, mas me parece que nao vai mudar muita coisa. Criar mais dois estados nao vai mudar o problema real, só vai criar mais dois problemas.

    Fico me perguntando se ao invéz disso voces nao deveriam cobrar por essas melhorias com um estado só. Investimentos em infra, saude, urbanizacao e saneamento ainda com o estado soberano Pará.

  41. JOAQUIM disse:

    A divisão cria oportunidades de desenvolvimento para todos, inclusive para o PARÁ REMANESCENTE,que já possui melhor esrutura, poderá desenvolver o turismo, industria,mineração, atividades portuárias, e principalmente serviços de alta complexidade, pesquisa e educação. Por falar em educação alguem conhece um Estado da Federação que não tenha uma Universidade Federal? pois com a criação de novos estados, com certeza serão criadas mais Universidades. Gosto Muito do Pára e dos Paraences, mas, convenhamos a maioria do pessoal de Belem e Região não conhecem o seu Estado. e por Sua Vez Grande parte da população do Carajás e Tapajoós tambem não conhecem Belém, este nosso Estado é grande demais, precisa dividir para fortalecer politicamente a repesentação no Congresso Naional. Ou será que vamos ficar para sempre vendo grnades investimentos serem carreados para outras Regiões?. Portanto a divisão vai acontecer porque os argumentos dos que querem continuar como está ou que tem medo de mudanças até agora são argumentos meramente emocionais.

  42. washington de sousa silva disse:

    Ola,sou a favor da divisão,eu trabalho em belém,mas sou do sul do Pará.e fui pra capital em busca de melhorias de vida.hoje vejo a necessidade dessa divisão,não podemos deixar essa oportunidade passar em branco.E peço aos Paraenses do Norte,que vão as Urnas no dia 11 dizer 77,assim estarão fazendo um verdadeiro papel de cidadania para um povo sofredor.E não tem essa de que temos que cobrar dos governantes por melhorias.O Estado é muito grande,o governo não dá conta de atender a todos.E digo que pena,do povo do Marajó,que vai sofrer e por muitos anos.ou seja deveria ter mais 1 Estado o Marajó.

  43. MAYCON TINOCO MACEDO disse:

    Eu moro no rio de janeiro , + concerteza tem algo atras dessa história que o povo não está sabendo … por que eles querem separar o pará ? deu na telha de eles fazerem isso ? estão pensando no povo ? fala sério né gente , se eles estão fazendo isso é pq ai tem !!!
    e vc’s aceitando isso mais tarde vc’s podem sofrer consequencias gravicimas … entao pensem bem no q vc’s vao fazer … q Deus ajudem vc’s a decidirem …

  44. Pedro Mardock disse:

    Eu já li alguns artigos sobre a divisão do Estado do Pará, mas esta
    análise feita pelo professor José R.B. Freire é uma obra-prima
    jornalística, que nos remete aos tempos de Padre Antônio Vieira e seus
    famosos sermões. Vale a pena ler parte do artigo com atenção.
    Num sermão que pregou na sexta-feira santa, já em Lisboa, perante um
    auditório onde estavam membros da corte, juízes, ministros e conselheiros da Coroa, o padre Vieira, recém-chegado do Maranhão, acusou os governadores, nomeados por três anos, de enriquecerem durante o triênio,juntamente com seus amigos e apaniguados, dizendo que eles conjugavam o verbo furtar em todos os tempos, modos e pessoas. Vale a pena transcrever um trecho do seu sermão:

    “Furtam pelo modo infinitivo, porque não tem fim o furtar com o fim do
    governo, e sempre lá deixam raízes em que se vão continuando os furtos.
    Esses mesmos modos conjugam por todas as pessoas: porque a primeira pessoa
    do verbo é a sua, as segundas os seus criados, e as terceiras quantos para
    isso têm indústria e consciência”.
    Segundo Vieira, os governadores ”furtam juntamente por todos os
    tempos”. Roubam no tempo presente, “que é o seu tempo” durante o
    triênio em que governam, e roubam ainda ”no pretérito e no futuro”.
    Roubam no passado perdoando dívidas antigas com o Estado em troca de
    propinas, “vendendo perdões” e roubam no futuro quando “empenham as
    rendas e antecipam os contrato, com que tudo, o caído e não caído, lhe
    vem a cair nas mãos”.

    Os dois novos Estados – Carajás e Tapajós – se criados, significam
    mais governadores, mais deputados, mais juizes, mais tribunais de contas,
    mais mordomias, mais assaltos aos cofres públicos. Por isso, o Conselho
    Indígena dos rios Tapajós e Arapiuns, sediado em Santarém, representando
    13 povos de 52 aldeias, se pronunciou criticamente em relação à
    proposta. Em nota oficial, esclarece:
    “Os indígenas, os quilombolas e os trabalhadores da região nunca
    estiveram na frente do movimento pela criação do Estado do Tapajós,
    porque essa não era sua revindicação e também porque não eram
    convidados. Esse movimento foi iniciado e liderado nos últimos anos por
    políticos. E nós temos aprendido que o que é bom para essa gente
    dificilmente é bom para nós”.
    Análise feita pelo professor José R.B. Freire.
    E eu sou de acordo com o Professor, e o Pe.Vieira.
    Pedro Mardock – Ambientalisa

  45. CESAR disse:

    Bom lembro-me que estudei a civ. da antiga Roma que viu a necessidade de dividir seu grande imperio devido a grande extençao territorial e o grande problema de governa,só assim encontraram a soluçao.entao pra que um Estado desse tamanho cheio de problemas e que é palco de denuncia na midia nacional. sou a favor da divisao,entao meu VOTO É 77 SIM, 77 SIM, 77 SIM……

  46. naldo nas disse:

    Podem existir razões menos nobres, de maior ou menor legitimidade por trás das proposições de criação destes estados. Dentre elas a criação de inúmeros novos cargos eletivos e de confiança que permitiriam uma diluição da concorrência política por posições públicas.

    Existem circulando hoje no Congresso Nacional propostas para a criação de 13 novos estados e territórios. Caso todas se concretizem, teremos uma federação com 37 estados, 3 territórios e cerca de 13 bilhões mais cara. Isso sem contar novas proposições que poderão surgir na esteira do sucesso dos projetos que ora tramitam. Por tudo isso, a divisão do Estado do Pará não parece ser uma boa idéia.

  47. ani disse:

    O Brasil e um pais de todos ,e pq nao e assim na hora de decidir esta divisao tanbem? porque so quem mora na regiao e que tem q votar? Nao seria uma decisao do pais?

  48. Douglas disse:

    Concordo com a decisão de a votação ocorrer somente no estado, pois nós que estamos de fora não vemos tanto o assunto como quem mora nesse estado, mas mesmo assim, sou a favor da separação, considerando que haverá melhoras nas condições locais. Governadores ladrões teremos com ou sem separação de estado, e a roubalheira é sempre a mesma. E gastos para os cofres públicos não são a menos preocupação para o nosso governo. Conversinha pra boi dormir. 100 mil pra um deputado estadual por ano não é isso que imaginamos que seja só porque não podemos não receber isso, mas para os cofres públicos, é só a viagenzinha de férias que um governador de qualquer estado gasta desviando dinheiro público. Já passou a hora do governo retribuir os impostos pago por essas pessoas, que não se dão ao luxo de ter nem uma educação que se preze …

  49. Fátima disse:

    16/11/2011.
    O povo paraense tem que ter muito cuidado, na sua escolha, por estarmos em um país democrático, temos o direito de votarmos no que queremos, porém no caso da divisão do estado do Pará se faz necessário termos em mente a questão dos municípios que formarão os dois possíveis estados, que são muito ricos e alvo de cobiça. Nos municípios que formarão o estado do tapajós estão em plena floresta, havendo predomínio de populações quilombolas que historicamente estão na região, estão as áreas dos povos indígenas, áreas de preservação da florestas, estão também uma imensidão de riquezas: em águas subterrâneas, ouro, madeiras e dizem que também petróleo e terras, muitas terras, que muitos investidores do centro sul do país estão interessados para ampliação de fronteiras agrícolas como milho e soja. Devemos considerar que as populações que ocupam o território historicamente, querem o progresso sem dúvida, mas não querem a destruição ou mudança na geografia do estado, quem quer são políticos, e pessoas que somente a partir dos últimos 30 ou 40 anos chegaram nestas terras muitas das vezes com fins especulativos.
    Quanto ao estado de carajás; a grande maioria dos municípios foram formados recentemente e quase todos que chegaram vieram em busca de terras para enriquecimento rápido, com fins de ocuparem terras doadas pela união que naquele momento histórico combatia a guerrilha, logo em seguida chegaram os grileiro, pessoas em busca de terras, todos como historicamente se conhece na tentativa de tirarem proveito mais uma vez da amazônia: derrubada da floresta para criação de gado; derrubada da floresta para ocupação do território na década de 70, isto veio como exigência do próprio governo; ocupar terras ricas em ouro e outros metais preciosos; tentativa de enriquecimento que não contava com a dificuldade de vencer uma floresta quase que intransponível , que mesmo assim, está sendo destruída etc…Uma imensidão de pessoas entrado em grande quantidade em um estado pobre vai provocar sim uma crise nos serviços públicos. Nenhuma frente a favor da divisão do Pará está pensando no povo, está sim tirando proveito do atraso educacional de nossa povo, que ainda não conhece toda a história em torno desta invasão sem armas, que está preste a acontecer . Que preste atenção todos os legítimos paraenses, que observem o local de nascimento de todos aqueles que incentivam a divisão em três estados; observem os interesses políticos dos mesmos; quantos hectares de terras possuem nas regiões em questão; observem também o preço das terras que nestes locais são baixos; onde estão as terras da união ou seja as terras devolutas etc…. Lamento profundamente não estarem estas pessoas lutando para o fim da corrupção no país, esta meta sim, acabaria com a pobreza e miséria de nosso povo e do país todo é uma pena que maioria desta população ainda não compreenda que o país todo tem problemas com saúde, educação, lixo, doenças, hospitais, empregos etc… Lamento mais ainda que os pesquisadores, jornalistas e as inteligências que estão no estado do Pará estejam praticamente caladas, esclarecendo pouco a comunidade, do que realmente esta por trás de tudo isto.

  50. matheus(viganó). disse:

    não e não eu não deixo dividir o meu estado 🙂

  51. Marli disse:

    @Joao Paço
    Parabens pelo comentario João Paço, concordo com sua opinião e completo com a observação que mesmo morando no possível “Estado de Carajas” (possivelmente o estado mais rico dos 03 no futuro) não acredito que dividir seja a melhor solução, grandes empresas quando crescem não se desfazem de parte delas, contratam pessoas competentes para gerenciar cada setor, precisamos de bons administradores, dividir e manter a mesma corja na administração manterá nosso Estado nas mesmas condições.

  52. calebe costa disse:

    parabens pelo poster, é incrivel que quando se pensa em divisão dessa que vai gerar muitos durante muitos anos, estão eles (os realmente interessado) não estão pensando nas pessoas, pelo contrario, estão pensando em seus interesses. não a divisão do pará.

  53. calebe costa disse:

    parabens pelo poster, é incrivel que quando se pensa em uma divisão dessa natureza, que vai gerar muitos gastos publicos, durante muitos anos, eles (os realmente interessado) não estão pensando nas pessoas, naqueles que eles dizem não ter acesso as politicas publicas, talvez alguns até usufrua da divisão mas não é a principal razão do interesse na divisão do Estado, pelo contrario, estão pensando em seus interesses. não a divisão do pará.

  54. A MAO COOPERADORA disse:

    Vcs ai quantas e quantas, vezes vcs já viram nos jornais, pessoas morrendo nos leitos publicos, sem um atendimento,.. E alunos sem merenda escolar, e sem materiais fornecidos para atividades esportivas. quantas e quantas vezes, vc ainda pode precisa de um atendimento de qualidade, e nao tem por causa das verbas que são baixas.
    Então meu irmão guarde isso no coração, e leve no dia da eleição SIM AO TAPAJÒS E CARAJAs eu apoio essa divisão

  55. Adrezo disse:

    seu blog e 1 dos melhores que eu já asseei

  56. henrique disse:

    tapajos e carajas e o melho que pode aconteçerrrr
    simmmmmm
    tapajos e carajas
    vamos vençer!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  57. ocult disse:

    É uma questão de suma importância que o povo deve decidir. O plebiscito é fundamental. Somente os moradores da região podem opinar com certeza do que é melhor

  58. airison e marilene disse:

    e isso ai povo paraense e uma questão democratica só cuidado na hora de votar saber o porque votar no sim ou no não .oq.

  59. airison e marilene disse:

    airison e marilene :
    e isso ai povo paraense e uma questão democratica só cuidado na hora de votar saber o porque votar no sim ou no não .ok.

  60. filho disse:

    bom dia, a todos, veja só quando uma fazenda é bem grande, o que fazemos?
    na nossa região dividimos em partes, outro exemplo claro, não sei se vcs conhecem plantação de cana de açucar, grandes plantaçoes são tambem divididas e talhão. para que os administradores consigão controlar, a produção.
    por isso veja em nossa casa quando temos mais um filho faemos o que mais um quarto, ou seja, dividimos o que era grande para controlarmos melhor…… sou a favor do sim…….

  61. Anderson disse:

    @Marli
    Sou paraense, não gosto da ideia de divisão, mas também não quero ser egoísta. Confesso .Tenho dúvidas sobre algumas coisas, mas de uma coisa tenho certeza, os que lutam por essa divisão sofrem com o descaso administrativo. FATO. Todos nós sabemos do interesse político. Detalhe, o interesse político são de ambas as partes, tanto dos que querem a divisão e os que são contra. Sei dos gastos de custeio para os novos estados. Tocantins, mato grosso podem hoje não ser estados excelentes, mas me pergunto…a região está pior que antes da divisão? Também não adianta dizer q eles são exemplos para tapajós e Carajás, porque nenhum sistema político, econômico, administrativo etc… funciona em todas as regiões. O que existe é exceções e muita pesquisa antes de implantá-las. Agora afirmar que vai ocorrer como planejado. Quem já aplicou um projeto sab muito bem disso. Nunca corre tudo como planejamos, sempre aparece falhas. Logo, será que a divisão irá realmente favorecer a população dos novos estados? Quem deu essa garantia? Os políticos? as estatísticas? os estados TO e MT??Ninguém dá certeza de nada o que existe são as HIPÓTESES E AS (%) DE DAR CERTO. Sendo assim, independente de quem vença, os que realmente serão ou já estão beneficiados são os políticos. Gostaria de prever o futuro para saber se a divisão será favorável mesmo, se as verbas irão ser repassadas como eles dizem, mas mesmo assim meu voto e SIM. Não sei ainda se estou correto, mas quero dar uma oportunidade para tapajós e carajás. União? essa briga pela divisão não é de hoje, já se ouvia falar nisso a muito tempo. Então porque não procuraram amenizar as diferenças antes? porque deixaram chegar a esse ponto? Agora é a vez de tapajós e carajás.
    Se eu estiver enganado, gostaria de ouvir outros argumentos que me façam mudar de ideia! abraços a todos 🙂

  62. elias disse:

    senhor (a): Anderson, naum mude de opiniao essa e a maior decisao para mudar o pará, continue com o sim, vai ganhar belém e os dois novos estados criados, diga sim ao tapajos e carajas. é 77 eu confio mto no seu voto de sim, vai fazer a diferença.

  63. Pedro disse:

    Meu terá mais deputados ou seja mais roubos ” desvio de dinheiro

  64. Henrique disse:

    É isso ai anderson, belissimo argumento, um parense que não ta caindo no sentimentalismo e orgulho de ver o “GRANDE E RICO PARÁ” dividido, acima de tudo querendo dá uma oportunidade de carajás e tapajós crescerem, continue com essa visão pelo SIM 77 e PARABÉNS.

  65. Jair de Andrade disse:

    “Se estado pequeno fosse garantia de superdesenvolvimento, o de sergipe seria a superpotência brasileira, mas não é!”.

    Pois é Anderson, se você pesquisasse um pouco mais, perceberia que os políticos militantes da redivisão do estado do Pará possuem as suas fichas sujas no STF, perceberia ,também, que a parte mais rica do território paraense seria retirada de nós ( o que para mim fica caracterizado como roubo), saberia que a criação de novos estados é negócio vantajoso para duas categorias profissionais: fabricantes de mapas e políticos ( bem, para um fabricante de mapa não há muita vantajem, pois com apenas um “click” a atualização regional já foi feita). Sabendo disso, será um “negócio da china” para os políticos, reconheceria que o Pará já é dividido administrativamente em municípios e que, caso você tenha estudado história, lembraria que o processo de colonização da amzônia não significou a implantação de uma política de povoamento, mas, ao contrário, a implantação de colonias que objetivaram a conquista da região. ( o mesmo ocorrerá com o Pará, caso a divisão ocorra).
    Portanto, Anderson, suponha que você possui uma empresa que todo ano vem crescendo exponencialmente. o que você faria, diviridia-a ou contrataria pessoas de responsabilidade para supervisionar a parte que fonge ao seu alcance?

  66. Jair de Andrade disse:

    Ah, e certamente você está engando!

  67. Jair de Andrade disse:

    @Jair de Andrade
    “foge ao seu alcance”.

  68. Cledson disse:

    Não há dúvida que desde a criação do plebiscito, a propaganda eleitoral em canais de rádio e tv, votação, apuração dos votos, resultado, tudo isso já é por si só, um gasto a mais que a população paga, dinheiro dos nossos impostos recolhidos, dinheiro público. Caso a divisão dos estados vença, teremos mais dinheiro desperdiçado. Acham mesmo que os políticos estão interessados em melhoria da população? Vai ser mais um Maranhão, Piaui da vida. Ou ainda pior. As pessoas interessadas na divisão nem paraenses são. Ainda , se forem criados esses estados, nós mesmos iremos sustentar mais vagabundos que serão governadores, senadores e outros cargos políticos e administrativos que serão criados. Outras assembléias legislativas e tribunais de justiça. Vamos sustentar mais ociosos que vem de fora do “até então” Estado do Pará. Depois, Tapajós e Carajás vem querer fazer o mesmo que o Maranhão faz, que é mandar o excedente pobre para o Pará.

  69. jac disse:

    eu concordo. pois quem nao concorda com a divisao nao sabem quais sofrimentos passamos eu morro em Itupiranga-pa quando visito a capital Belém colegas pergunta onde morro, respondo; em Itupiranga, muitos dizem onde fica isso? outros comentam a sei onde e. tu morra no fim do mundo… fico triste. mas e a realidade as condições daqui e bem diferent da capital… VOTE 77 SIM PARA A DIVISAO VAMOS PARA DE SER EGOISTA.

  70. Anderson disse:

    Caro Jair, acho q eu talvez não tenha deixado claro isso, mas eu percebo o interesse pólitico e imaginei que muitos estariam com ficha suja. Em relação a história, estudei sim, mas não acho esse argumento válido, porque a população da época era ingnorante em relação a muita coisa, uma delas política, tanto que muitos perderam terram com documentos falsos e o governo ainda fazia vista grossa. Hoje pode até ocorrer isso, mas a era da informação ta avançando esses lugares e as pessoas não estão tão ingênuas como antes. Lembra da SUDAM??? foi um exemplo de investimento que era pra funcionar, mas além de políticos os próprios empresários e outras pessoas se aproveitavam dese projeto pra “roubar” do governo dinherio. sendo assim, hoje se houvesse a divisão, não acho que o povo iria aceitar a falta de investimento, mesmo porque teriam acesso fácil aos seus governantes pra reivindicar seus direitos! Caso o NÃO vença e o PARÁ não seja dividido que garantias a população de tapajós e carajás terão que a situação deles vai mudar??? que garantias eles irão ter em relação a distribuição de renda, hospitais, escolas, saneamento básico etc. Lembrando… eles já reclamavam muito e já pensavam nessa divisão antes de cai na mídia e o Governadores daqui não fizeram nada só enrolaram! Sabe o que eu acho q vai acontecer? caso o Pará continue unido eles sempre irão dizer para essas localidades ” ESTAMOS SEM VERBA”

  71. Anderson disse:

    Anderson :
    Caro Jair, acho que eu talvez não tenha deixado claro isso, mas eu percebo o interesse pólitico.Imaginei que muitos envolvidos tem ficha suja. Em relação a história, estudei sim, mas não acho esse argumento válido, porque a população da época era ingnorante em relação a muita coisa, uma delas política, tanto que muitos perderam terras para gente discarada com documentos falsos e o governo ainda fazia vista grossa. Hoje pode até ocorrer isso, mas a era da informação está avançando em muitos lugares que antes não alcançava e as pessoas não estão tão ingênuas como antes. Lembra da SUDAM??? foi um exemplo de investimento que era pra funcionar, mas além de políticos os próprios empresários e outras pessoas se aproveitavam desse projeto pra “roubar” do governo dinherio. Sendo assim, hoje se houvesse a divisão, não acho que o povo iria aceitar a falta de investimento, mesmo porque teriam acesso fácil aos seus governantes pra reivindicar seus direitos! Caso o NÃO vença e o PARÁ não seja dividido que garantias a população de tapajós e carajás teriam que a situação deles iria mudar??? que garantias eles iriam ter em relação a distribuição de renda, hospitais, escolas, saneamento básico etc. Lembrando… eles já reclamavam muito antes e já pensavam nessa divisão antes de cai na mídia e o Governadores daqui não fizeram nada só enrolaram! Sabe o que eu acho que vai acontecer caso o Pará continue unido? eles sempre irão dizer assim para essas localidades ” ESTAMOS SEM VERBA”

  72. Anderson disse:

    perdoem os erros de concordâncias 🙂

  73. wenderson disse:

    É isso aew meu povo vamo votar sim no dia do plebicito, que agente não vamos precisar esperar pela boa vontade de Belém para que nosso povo evolua por que nós so vamos evoluir quando tivermos a coragem de xegar e dizer xega… para tudo o que nao presta: miseria, fome,desemprego…e etc…
    entao so com o seu voto nos conseguiremos dar um basta em tudo isso…
    então diga SIM ao tapajós e ao carajás.

  74. aline farias disse:

    sou muito ah favor da divisão do estado acho esse Pará muito mal governado…
    queria muito que o “não” me respondeci uma pergunta. O que foi feito do dinheiro que foi repassado para o asfaltamento da rodovia Tranzamasonica…essa rodovia nunca foi asfaltada ate hoje tem mais de 1000 kilometros sem asfaldo e no mapa do Brasil diz que ela é asfaltada.Eu aline ja viajei por ela varias vezes com muita poeira e lama…se for possivel queria que algum dos representantes do SIM perguntace por mim…Obrigada e nois vamos ganhar…

  75. Patric Manhães disse:

    Sou Capixaba e me agrada o fato de ver pessoas preocupadas com o avanço de seu Estado. È primordial a abertura para o debate democrático – em qualquer nível. Mas não acredito se tratar de problema geográfico. Ao meu sentir densidade do Grande Pará é aflorada daquelas pessoas que deveriam agir para garantir o interesse público (inclusive nós). Portanto, havendo comprometimento – em todas as esferas de Poder – desnecessária será qualquer divisão. O exemplo do meu pequeno Estado é marcante na federação. Aqui a população vem resolvendo os problemas com mudanças (nas urnas) das lideranças políticas e principalmente por meio desta ferramenta – a mídia de todas espécies – para combater a corrupção, tanto no Legislativo, Executivo e Judiciário. Estamos avançando!

  76. carlos disse:

    eu concordo. pois quem nao concorda com a divisao nao sabem quais sofrimentos passamos eu morro em Itupiranga-pa quando visito a capital Belém colegas pergunta onde morro, respondo; em Itupiranga, muitos dizem onde fica isso? outros comentam a sei onde e. tu morra no fim do mundo… fico triste. mas e a realidade as condições daqui e bem diferent da capital… VOTE 77 SIM PARA A DIVISAO VAMOS PARA DE SER EGOISTA.

  77. Qwert disse:

    Não e não!

  78. Felipe disse:

    Tudo bem… Mas se o Pará se separar, a castanha vai ser de Tapajós ou Carajás? hein? hein? hein?

  79. Marco Antônio disse:

    Moro em Minas gerais, mas sou nascido é criado no Sudeste do PA (Xinguara). Sou a favor da divisão do Estado. No artigo percussor deste debate tem um trecho, da opinião contra, me deixou intrigado “será necessário grandes investimentos na construção de edifícios públicos. Por exemplo no interior do Pará terão que implantar e ampliar infraestruturas,como aeroportos e rodovias.” Essa “desculpa” se torna incoerente, pois, da-se o sentido de que esse dinheiro não seria usado para investimentos na região interiorana em caso de não divisão. È hora de mudanças, e se for beneficiar esses porcos corruptos (políticos e latifundiários) como tanto dizem, não mudara muito porque nosso dinheiro de escolas, hospitais e infra estrutura já esta sendo “aplicado” para esse fim. Esse é o fio de esperança por nossos direitos, por favor não a tire de nós também!

  80. angelo disse:

    A politica tributaria nacional e reconhecidamente deficitaria e quem paga as contas publicas deste pais nao suporta mais nenhum imposto adicional. Os estados do Tapajos e Carajas serao a longo prazo, mais de 10 anos uma despesa altissima, e nao prioritaria. As populacoes do Para que vivem nestas regioes nao tem ali uma situacao de emergencia que determine que todo o pais pague um preco tao alto so para beneficiar uma parcela muito pequena do pais em detrimento de toda uma conjuntura. Muito mais urgente e a reforma politica e tributaria. Se estes estados nascerem sem liquidez((verba especifica no orcamento da Uniao ) para estes estados. Quem vai pagar a conta? Provavelmente nos todos o povo Brasileiro. Se alguem me esclarecer que o povo do atual Para vai morrer sem essa divisao. Concordo. Caso contrario vou lutar contra com todas as forcas, pois isto nao e prioridade na atual realidade socio econimica e politica deste pais.

  81. Dilvan Caldeira disse:

    Bom….eu acho qwe esta divisao será bem vinda sim para o povo paraense….este estado é muito grande e pouco povoado…é nisto qwe os politicos deitam i rolam no desvio de dinheiro publico…dividindo em tres partes este gigante estado, ficara muito mais facil ser fiscalizado…eu acho qwe o povo paraense deve sim abraçar a ideia i diser sim a criação de carjas i tapajos……sou de minas gerais e estou torcendo para qwe aconteça a divisao i qwe nosso pais receba de braços abertos mais dois estados co irmaos ….. CARAJÁS E TAPAJÓS.. uma linda homenagem aos nossos primordios …….abraços

  82. MATHUPICHU disse:

    VÃO TRABALHAR SEUS BANDO DE POLÍTICOS Q NÃO FAZEM NADA, VÃO DIVIDIR A CASA DE VCS PRA V SE É BOM, DIVIDAM SUAS FAZENDAS, CASAS, CARROS E TUDO MAIS, O PARÁ É ÚNICO, VERADEIRO E COLOSSAL.

  83. Caio Fontenele disse:

    Acho uma besteira, já é muito comum os roubos no BR, isso só vai aumentar.
    Esses prefeitos com certeza apoiam a divisão pois terão mais acesso ao dinheiro público, sendo essa divisão desnecessária para a população …

    O QUE O GOVERNO VAI GASTAR PARA DIVIDIR OS ESTADOS, ELE PODE MUITO BEM MELHORAR ESSES LOCAIS …

  84. Caio Fontenele disse:

    VOTEM NÃAAAOOOOOOOOOOOOOOOOOOO …

  85. edilson disse:

    Ola, Eu fiquei muito triste pelo o não a divisão, Pq depois do plebicito o Governo do Estado abandonou totalmente o Sudeste Paraense!!!!!!!!!

  86. Nilmar Natanael... disse:

    @Felipe
    Atualmente o nome da Castanha do Pará é Castanha do Brasil…
    Então não ficará para nenhum dos 3 estados… :s

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.